Foguete criado por impressora 3D é aposta de startup do ramo aeroespacial.

0
4

Atualmente, empresas do setor de aeroespacial tem focado em projetos de impressão 3D. Seja SpaceX, startups menos conhecidas e lojas de foguete da velha guarda, todos estão usando a tecnologia – algumas até já imprimiram seus próprios motores do zero. Liderada pelos fundadores Tim Ellis e Jordan Noone, a Relativity Space planeja imprimir, inicialmente, 95% das peças de seu foguete em apenas dois meses.

O Terran 1, como é chamado, tem uma carga máxima de 1.250 kg até 185 km em órbita terrestre baixa. Os testes de voo estão marcados para o final de 2020. Os foguetes são compostos por quatro sistemas principais: cargas úteis, orientação – feita por sensores -, propulsão – combustível e motor – e estruturas.

Com a impressão 3D, a Relativity pretende simplificar a mão de obra e reduzir drasticamente o tempo de produção. Entretanto, para imprimir o exterior e o tanque de combustível é preciso, antes de tudo, criar impressoras capazes de realizar a tarefa. Os próprio fundadores admitem que não é uma tarefa fácil: “Construir uma empresa de foguetes é difícil, construir uma empresa de impressão 3D é difícil, e construir os dois juntos e ao mesmo tempo é uma questão de loucos”, diz Ellis, executivo-chefe da Relativity.

A startup já possui a Stargate, impressora 3D que ocupa dois andares em um prédio na sede em Los Angeles, Califórnia (EUA). A máquina usa uma variante do que é conhecido como deposição de energia direcionada. A impressão 3D cria camada por camada do objeto, usando a modelagem de depósito fundido – ou seja, o material é derretido e espremido em padrões precisos para a construção do objeto. Juntando esse processo e a soldagem, a deposição de energia é direcionada.

Assim como a SpaceX e outras empresas, a Relativity tem chegar a Marte em seu plano de longo prazo. Ela anunciou mês passado que assinou um contrato de arrendamento de nove anos com a Nasa e que abrirá sua primeira fábrica autônoma de foguetes 3D, uma instalação de mais de 20 mil metros quadrados no Centro Espacial Stennis, em Mississipi.

A Relativity já possui três contratos de lançamentos de satélites para o foguete Terran 1 marcados para 2021 e 2022. Os clientes são: Telesat, uma empresa canadense de comunicações; Spaceflight, empresa com sede em Washington que ajuda na coordenação de ações de passeio em satélites em grandes lançamentos; e Mu Space, sediada na Tailândia.

A empresa vem crescendo. Ano passado o número de funcionários passou de 14 para 80 e conta com Tim Buzza, ex-vice presidente de lançamento da SpaceX e da Virgin Orbit, além de David Giger, ex-diretor sênior de engenharia da cápsula Dragon da SpaceX. Além de fechar uma rodada de financiamento de US$ 35 milhões, a Relativity fechou um acordo com a Nasa para testar seus motores no Stennis Space Center, em Mississipi – mesmo local onde estará sua fábrica autônoma – e recebeu permissão para lançamento em Cabo Canaveral, na Flórida. Você pegaria carona em um foguete desses?

 

SimSite Banner

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui